IX Encontro CTDI Resiliência organizacional: o poder da informação

No dia 30 de abril, na Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão (ESEIG), realizou-se o IX Encontro de Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação (CTDI). Este IX Encontro CTDI dedicou-se à análise da importância das funções de gestão da informação na construção de organizações resilientes. O evento contou com uma assistência de cerca de 80 inscritos e um painel de oradores oriundos da academia e do setor empresarial e organizacional.

Atualmente, o conceito de resiliência tem tido bastante projeção na esfera organizacional, definindo-se como a capacidade de enfrentar situações difíceis ou adversas, capacitando as organizações para enfrentarem constantemente novos desafios. Assim, a resiliência pode ser entendida como a construção de soluções criativas para adversidades presentes. Partindo deste enquadramento, o IX Encontro CTDI promoveu a reflexão sobre as potencialidades, dificuldades e estratégias associadas à criação, organização, partilha, uso e preservação da informação no intuito de tornar as organizações resilientes, capazes de inteligência coletiva para enfrentar as adversidades internas e externas.

Na sessão da manhã, focou-se a resiliência organizacional enquanto capacidade de adaptação e de superação de contextos difíceis por parte de organizações que sabem concentrar-se no essencial. Nesta abordagem, a vertente comportamental é nuclear, tal como sublinhou o Dr. José Lucas (Oficina de Competências), enfatizando a importância das softskills dos colaboradores da organização para a resiliência. Só com trabalhadores resilientes teremos organizações resilientes. Os profissionais da informação, capazes de positividade, foco, flexibilidade, organização e pró-ação, combinado competências de gestão da informação, como outras, tal como a gestão do risco, darão um contributo fundamental para organizações resilientes, como bem alertou a Dra. Alexandra Lourenço (Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas). Em pequenas e médias organizações, como a Fundação Cupertino de Miranda, com um reduzido número de colaboradores, a resiliência de cada um determinará fortemente a capacidade que a organização tem em responder assertivamente e rapidamente às exigências dos contextos interno e externo, como demonstrou a Dra. Marlene Oliveira (Fundação Cupertino de Miranda).

Já na sessão da tarde, o Eng. Carlos Latourrette (Latourrette Consulting) focou a relevância da gestão da informação para melhorar o desempenho dos colaboradores das organizações, nomeadamente resolvendo os problemas inerentes ao desperdício de tempo associado à procura e localização da informação. O setor privado e a sua necessidade de profissionais da informação foi analisado no contexto específico das sociedades de advogados portuguesas, brasileiras e espanholas, pela Dra. Cláudia Gonçalves (Sociedade de Advogados Uría Menéndez - Proença de Carvalho), realçando o valor da gestão da informação e do conhecimento num tipo de organização muito competitivo, onde a resiliência é um fator determinante de sucesso. Por fim, o correio eletrónico e as suas potencialidades para transformar as organizações e os seus processos, agilizando o seu funcionamento interno e a produtividade dos seus trabalhadores, foram abordados pelo Doutor Rui Quaresma (Universidade de Évora).

Assim, este IX Encontro CTDI veio reforçar o papel da ESEIG na dinamização da área científica e profissional da Ciência da Informação em Portugal, enfatizando a importância das funções de gestão da informação na construção de organizações resilientes. 

Ver mais fotos - Galeria de Imagens

Autenticação

Utilize as mesmas credenciais de acesso ao Portal Académico